Agricultura de Roraima está ganhando espaço no cenário nacional, afirma Superintendente

Com a abertura da colheita da soja e os resultados positivos da produção local, Roraima tem se destacado no cenário da agricultura nacional. O clima favorável e as condições de plantio atraem investidores de todo o país, gerando empregos e renda além de aquecer a economia do Estado.

De acordo com o superintendente federal de Agricultura em Roraima, Plácido Alves, a abertura da colheita de soja representa apenas um dos momentos positivos que Roraima passa quando o assunto é agricultura. “Essa abertura não só marca a início da colheita mas põe o Estado no cenário nacional. Com a presença de investidores de várias regiões do Brasil, Roraima ganha visibilidade e o potencial para se destacar só aumenta”.

Plácido conta que a soja não é o único atrativo do estado e que o crescimento vem acontecendo em diferentes culturas. A plantação de milho no estado também cresceu nesta safra. O número de hectares com plantação do grão dobrou e chegou aos 6 mil este ano. Neste ano devem ser colhidos 36 mil toneladas do grão. A expectativa é um faturamento bruto de R$ 24 milhões.

Ele acredita que falta muito pouco para a agricultura tomar espaço o suficiente para mudar a matriz econômica do Estado, sendo necessário um maior apoio do governo para que isso aconteça. “A questão da titulação e da concessão de licenças tem atrasado o desenvolvimento e prejudicado o produtor local. Se tivéssemos mais celeridade nesses processos, o crescimento do setor seria maior e mais rápido”.

Quando perguntado sobre a fala de Suely Campos, sobre o atraso no desenvolvimento supostamente causado pelo senador Romero Jucá, o superintendente classifica o discurso da governadora como inválido. “Foi uma fala infeliz e desequilibrada. Além de ter feito acusações sem nexo, uma vez que nenhum dos pontos levantados por ela são da competência do senador Romero Jucá, a governadora causou desconforto em um momento em que investidores e a mídia nacional estavam com olhos para o nosso Estado”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *